06/01/2020 Texto: José Luiz Alves LIVRE NOTÍCIAS

O agronegócio sustenta a economia de Rondônia

Economia

O agronegócio sustenta a economia de Rondônia

O crescimento de Rondônia alcançou em 2019 4,5%, enquanto o Brasil atingiu apenas 1,1%. Superando longe a média nacional, o campo..

O crescimento de Rondônia alcançou em 2019 4,5%, enquanto o Brasil atingiu apenas 1,1%. Superando longe a média nacional, o campo garantiu R$ 7,7 bilhões, sendo a segunda maior a receita da região Norte no agronegócio perdendo apenas para o Estado do Pará, que somou R$ 14,4 bilhões. Os produtos com origem no campo apresentados pelos últimos levantamentos oficiais revelam com pequenas diferenças para mais ou para menos, que a segunda maior receita do Produto Interno Bruto (PIB) em Rondônia continua com a liderança do boi, da soja, do milho, peixe e café.

Respondendo na atualidade por mais de 50% da economia no Estado mostrando a vocação que vem do campo, o governador, Marcos Rocha (PSL), aposta no futuro de “Uma Nova Rondônia” a partir de 2020, destacando a importância dos pequenos e médios produtores rurais, uma vez que os grandes têm condições de “andar com as próprias pernas” conforme acentua o Chefe do Poder Executivo rondoniense.  

Em 2019, as cadeias produtivas rurais ao lado de outros setores da economia, comércio e indústria, preservaram equilibrado, o crescimento do estado, frisa o presidente da Associação dos Produtores Rurais de Rondônia (APRR) Adélio Barofaldi. Na mesma linha de raciocínio, o secretário de Agricultura, Evandro Padovani, acredita no desenvolvimento do agronegócio mostrando que o cultivo nas lavouras de soja na safra 2019/2020 alcançara 400 mil hectares, enquanto que o rebanho bovino com mais de 14 milhões de cabeças estará livre de vacinação contra a febre aftosa, abrindo negócios com o Mercado Comum Europeu.  

É interessante observar que lideranças rurais neste estado do porte de Valdir Mazutti, presidente da Associação dos Produtores de Soja de Rondônia (APROSOJA-RO) e Marcelo Lucas da Silva diretor da Central Agrícola, compartilham da mesma idéia, de que o agronegócio de precisão continuará avançando com o governo do estado fortalecendo agricultura familiar. Na opinião deles não existe concorrência, “há espaços para todos grandes, pequenos e médios produzir no campo”.  

Regularização fundiária  

Na prestação de contas de seu primeiro ano de mandato, o governador Marcos Rocha, sinalizou que o tratamento para os pequenos agricultores em 2020, será uma tarefa prioritária, inclusive dialogando com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina para acelerar o processo de regularização fundiária no estado, onde centenas de famílias aguardam produzindo no campo os títulos definitivos.  

Há um consenso entre autoridades ligadas ao setor produtivo, bem como junto aos produtores rurais, que ao se concretizar a regularização fundiária a produção no campo em Rondônia triplicará. Com suas áreas regularizadas os pequenos e médios agricultores terão condições reais para investir na infra-estrutura e melhorias nas propriedades, uma vez que no sistema financeiro oficial não faltam recursos para as atividades no campo. É verdade, no Banco do Brasil, Banco da Amazônia e no sistema de cooperativas, em 2019 foram disponibilizados R$ 3,4 bilhões para investimentos no agronegócio em Rondônia.   

Texto: José Luiz Alves