16/03/2018 ATITUDE GLOBAL BRASIL. Livre ATITUDE GLOBAL

ANDANÇAS PELO VALE DO JEQUITINHONHA

NACIONAL

ANDANÇAS PELO VALE DO JEQUITINHONHA

 

            Representantes da atitudeglobal.com visitaram o Vale do Jequitinhonha e parte do Norte de Minas Gerais na última quinzena.

            Muitas se diz sobre os aspectos envolvendo o Índice de Desenvolvimento Humano – IDH da população do Vale do Jequitinhonha. Muito se fala de pobreza, desnutrição, mortalidade, analfabetismo e desemprego apresentados pela região.

            Dados da www.revistacontemporanea.com.br informam que o Vale do Jequitinhonha está Localizado no nordeste de Minas, banhado pelo Rio Jequitinhonha, ocupa uma área de 79mil km2, com uma população de aproximadamente 980mil habitantes onde mais de dois terços dela vive na zona rural. É composto, hoje, por 75 municípios, dos quais 52 estão organizados nas microrregiões Alto, Médio e Baixo Jequitinhonha, e 23 estão integrados à antiga área mineira da SUDENE e mais de dois terços dela vive na zona rural. Vários diagnósticos convergem em assinalar que as restrições hídricas e as secas periódicas são fatores cruciais para o baixo desempenho da agropecuária, que mesmo assim ainda responde por 30% do PIB regional.

            O que não se imagina é que, por outro lado, o Vale do Jequitinhonha é detentor de grande e exuberante potencial natural e vasta riqueza cultural, com traços sobreviventes da cultura indígena e da cultura negra. Sob uma ótica mais justa, a área não apresenta o grau de extrema pobreza que normalmente é divulgado: segundo o Diagnóstico Ambiental da Bacia do Rio Jequitinhonha desenvolvido pelo IBGE, os solos da região são profundos, com boa textura e com condições de mecanização, a infraestrutura viária é regular, e apesar da carência de investimentos em saúde e saneamento, existem centros de saúde em todos os municípios. Além disso, os índices de analfabetismo são inferiores à média nacional e apesar de subaproveitados, a região conta com significativos recursos hídricos. As conjunturas políticas têm maior peso nas avaliações e diagnósticos. Por um lado, grande parte de sua população vive em extrema pobreza e seu meio ambiente vem sistematicamente sendo agredido pelas atividades mineradoras, de carvoaria e pelo uso indiscriminado do fogo pela agricultura familiar. Entretanto, o Vale do Jequitinhonha é conhecido pela riqueza do subsolo, promissor em recursos minerais, patrimônio histórico-cultural, referência para Minas Gerais e para o Brasil.

            Nesse contexto, várias perguntas sobre o momento político do país foram levadas por este site, questionando os moradores dos municípios de Ponto dos Volantes, Itaobim, Cachoeira do Pajeú, Águas Vermelhas e Pedra Azul. Procurou-se abordar a sensação da população sobre a prestação de serviços públicos nas esferas municipais, estadual e federal.

            As respostas colhidas discorrem, principalmente, sobre a precariedade nas prestações de serviços de saúde, educação e segurança pública. A vendedora Jane Cláudia Alves da Cruz, 26 anos, afirma: “nosso maior problema aqui na região é o atendimento na área de saúde, apesar de existir centros de saúde para pequenas demandas, para o atendimento de emergências mais sérias as pessoas devem ser transportadas para as cidades maiores Teófilo Otoni, Salinas, Montes Claros e até Vitória da Conquista na Bahia.” Ressalta-se que dependendo da cidade localizada no Vale do Jequitinhonha, o deslocamento chega a ser superior a 300 km, o que pode  ocasionar sérios danos aos pacientes, inclusive a morte durante o deslocamento.

            Raquel Gregória Dias, 28 anos, recepcionista, se preocupa com as questões de segurança pública: “Hoje em dia fica difícil, mesmo nas cidades pequenas não existe mais segurança.”

            Idenio Grano, empresário, proprietário da Churrascaria e Hotel Parada Grande, localizada na BR 116, divisa de Minas Gerais com a Bahia, destacou a educação como a grande variável que pode fazer a diferença do futuro do país: “se essa juventude, por exemplo, estudar em horário integral, não terá tempo para se juntar ao crime. Nós precisamos é de bolsa educação, as famílias mais pobres devem receber incentivo do governo para manter as crianças na escola.”

            Entretanto, a maioria dos entrevistados declararam que a corrupção é a origem dos males que leva á precariedade na prestação dos serviços públicos e falta de desenvolvimento na região, alegando que os políticos têm se preocupado muito mais com os seus próprios interesses do que com a sociedade.

Eleições

            Quando centenas de entrevistados foram confrontados com a realidade das eleições que se aproximam, para o cargo de presidente da república, alguns possíveis candidatos foram citados. Apesar da condenação em segunda instância do ex-presidente Lula e sua provável impossibilidade de concorrer ao pleito presidencial, continua com prestígio na região do Vale do Jequitinhonha, sendo o mais citado. O pré-candidato Bolsonaro foi o segundo. Ciro Gomes e Marina Silva foram lembrados em menor escala. Contudo, a maioria dos entrevistados, cerca de 60%, se declararam desinformados, indecisos ou desinteressados no processo eleitoral.