21/06/2022 ATITUDE GLOBAL LIVRE ATITUDE GLOBAL

COMUNIDADE PINGO D’ÁGUA, EM BETIM - MG, NA LUTA CONTRA A DESAPROPRIAÇÃO

.

 

COMUNIDADE PINGO D’ÁGUA, EM BETIM/MG, NA LUTA CONTRA A DESAPROPRIAÇÃO

Após a Justiça de Minas Gerais proferir decisão judicial para desocupação prevista a partir do próximo mês, de uma ocupação irregular, domicílio de cerca de 100 famílias, situada em terreno da MRV Engenharia, no Bairro Pingo D’água na cidade de Betim/MG, os moradores passaram a encadear uma série de ações com o objetivo de reverter a decisão. Dentre elas pode-se citar a manifestação ocorrida no dia 02/05/2022 com a realização de audiência pública na Câmara Municipal de Betim/MG para discutir a questão.

No dia 07/06/2022 o grupo de moradores realizou uma marcha até a sede o Ministério Público em Betim/MG e posteriormente uma manifestação em frente a Prefeitura Municipal solicitando ajuda do prefeito Vitório Medioli.

No dia 16 JUN 2022, chegaram a bloquear a BR 262, no sentido Belo Horizonte/Triângulo Mineiro, por volta de 02 horas, com aproximadamente 150 manifestantes,utilizando barricada de pneus queimados para obstruir a via.

O grupo de moradores que têm conduzido as ações de forma pacífica e ordeira conta com o apoio da Comissão Pastoral da Terra – CPT, Movimento de Luta nos Bairros Vilas e Favelas e Movimento de Organização de Base – MOB.

Os moradores da comunidade argumentam que a localidade estava abandonada desde 1987, onde proliferava, lixo, animais peçonhentos e práticas criminosas. Ainda, segundo os moradores a ocupação já possui mais de 10 anos de existência e nesse período foram realizados investimentos na construção de casas, por pessoas que em sua maioria são de origem humilde e que não teriam recursos para subsistir em outro lugar.

Dentre as alegações realizadas, inclusive em juízo, está o argumento de que o terreno há muito não cumpriria sua função social, conforme preconiza a Constituição de 1988, no ordenamento jurídico brasileiro. Além disso, também foi citada a Resolução que trata dos direitos humanos que prevê uma série de medidas em relação ao dever do Estado e município que evitem remoções forçadas de populações vulneráveis, além de tratados internacionais.

O site atitudeglobal.com esteve na localidade e ouviu o posicionamento de alguns moradores. A moradora Grace Kelly, trabalhadora autônoma, de 24 anos e membro da Comissão da Comunidade Pingo D’água considera que a decisão de reintegração de posse em favor da Construtora MRV é injusta: “Estamos travando várias lutas e o que for necessário pra gente resistir à reintegração, resistiremos. As 114 famílias não arredarão o pé daqui”. E acrescenta que espera ao menos que ocorra uma negociação favorável que preserve a dignidade dos moradores: “A MRV que é uma megaconstrutora que pode sim doar o terreno pra gente ou fazer alguma permuta junto a Prefeitura Municipal de Betim, na figura do nosso Prefeito Medioli”.

O morador Diego Alisson, trabalhador autônomo, 32 anos, alega: “Foi muita luta, nossas maiores conquistas foram aqui, já tem 10 anos que estamos aqui, lutamos, pegamos acerto de empresas para construir nossas casas, teve um desembargador que nos deu nosso ganho de causa, falou que podíamos construir e foi isso que nós fizemos, esperamos que o Prefeito entre nessa e que possamos contar com a ajuda dele”.

 

FONTE> ATITUDE GLOBAL 

FOTOS E TEXTOS > ATITUDE GLOBAL 

 

 

"