10/07/2023 MPF - RO LIVRE MUNDO GLOBAL

Após recomendação do MPF, Ibama se compromete a averiguar impactos de hidrelétrica em comunidades

.

Crédito: José Lins/Sistema Furnas

Após recomendação do MPF, Ibama se compromete a averiguar impactos de hidrelétrica em comunidade tradicional em RO

Vila Paulo Leal vem sofrendo com falta de transporte, estrada, acesso à saúde e pragas de mosquitos com a operação da UHE Santo Antônio

Foto mostra comportas da UHE Santo Antônio 

Após recomendação do Ministério Público Federal (MPF), a Diretoria de Licenciamento Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) se comprometeu a realizar levantamentos mais detalhados para averiguação dos impactos na comunidade Vila Paulo Leal em decorrência da instalação/operação da Usina Hidrelétrica (UHE) Santo Antônio, em Rondônia. No procedimento de licenciamento ambiental da usina, a comunidade não foi considerada diretamente impactada pela UHE.

A recomendação do MPF é embasada em laudo técnico do Centro Nacional de Perícia da instituição, no âmbito de inquérito civil instaurado para apurar os impactos suportados pela comunidade Paulo Leal com a construção da UHE Santo Antônio, bem como as medidas de compensação efetivadas. De acordo com o laudo, são exemplos desse impacto: a mudança da estrada de acesso à comunidade mais populosa, a remoção de comunidades lindeiras, a desativação de transporte coletivo, a ausência de acesso aos serviços públicos de saúde de Vila Teotônio e praga de mosquito.

A resposta do Ibama se deu por meio do encaminhamento da Informação Técnica 26/2023 à Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC) em Rondônia, que expediu a recomendação. No documento, a autarquia ambiental se comprometeu ainda a avaliar possíveis impactos causados em função do aumento da distância para o acesso aos serviços públicos – saúde e educação – na Comunidade da Vila Nova de Teotônio e os impactos na atividade pesqueira e no comércio desenvolvido por moradores da Paulo Leal. Além disso, avaliar a incidência do mosquito Mansonia, apresentando diagnóstico da situação do inseto na comunidade e adotar as medidas que o caso requer.

O Ibama informou que está aguardando a apresentação de informações solicitadas para prosseguir com a análise da questão e que, se necessário, também realizará vistoria na comunidade. Em caso de constatação de impactos da UHE Santo Antônio na comunidade, o instituto informou que adotará as providências cabíveis.

Solução consensual – Para buscar solução consensual, o MPF encaminhou ofício para a Santo Antônio Energia (SAE), que opera a UHE Santo Antônio, para questionar o interesse da empresa em buscar junto ao MPF, ao poder público municipal e a representantes da comunidade solução consensual, por meio de termo de acordo em que as partes (empresa e município) estabelecessem obrigações/parcerias para atendimento da comunidade de Vila Paulo Leal, visando minimizar os impactos sofridos pela comunidade.

No entanto, em resposta, a Santo Antônio Energia rechaçou o laudo técnico apresentado pelo MPF e informou não visualizar a possibilidade de construção de eventual acordo.

Comunidade tradicional – De acordo com o laudo pericial do MPF, a Comunidade da Vila de Paulo Leal é, inquestionavelmente, comunidade tradicional, quer seja sob a ótica sociológica, quer seja sob a ótica jurídica (Convenção 169 da OIT, Decreto 6.040/2007), sendo que parte da área da comunidade é reconhecida pelo Superintendência de Patrimônio da União (SPU) como de interesse público – a Portaria 274/2015 “declara de interesse do serviço público o imóvel da União localizado na faixa de domínio da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, município de Porto Velho (RO) com área de 7,2129 hectares”.

A comunidade é ligada à história da construção e operação da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, no começo do século XX, e constitui-se de famílias que se fixaram no local e desenvolveram modos próprios e peculiares de vida e relações socioculturais.

Recomendação 7/2023 LinK  

https://www.mpf.mp.br/ro/sala-de-imprensa/docs/2023/Recomendacao72023.PDF

 

Fonte > Assessoria de Comunicação 

Ministério Público Federal em Rondônia

(69) 3216-0511 / 98431-9761

prro-ascom@mpf.mp.br

www.mpf.mp.br/ro

Twitter: @MPF_RO